“São João parece ter uma igreja em cada esquina. É mais do que justo ter uma na Santa Casa também, não é? Falo ‘igreja’ mesmo porque é grande e imponente… É meio injusto chamar de capela”, brincou o comerciante Luiz Guimarães, de Vitória (ES).

Uma folga do trabalho, no final de semana, o fez percorrer os mais de 550km que o separavam da “Cidade Onde Os Sinos Falam” e realizar, finalmente, um antigo desejo de conhecer os principais templos da cidade. Dentre eles a Capela de Nossa Senhora das Dores, que integra a Santa Casa da Misericórdia.

Trajeto semelhante fez a pedagoga Júlia Lopes, do Rio de Janeiro, que fez questão de voltar para casa com uma foto em frente à estrutura datada de 1918 guardada no celular. “É tão bonito pensar que no mesmo local em que as pessoas buscam socorro há um lugar para encontrarem alívio espiritual, agradecerem bênçãos ou simplesmente refletir durante uma missa…”, explicou.

Comentários elogiosos assim são comuns em referência à capela, que se destaca também pelo inusitado. E esses detalhes o arquiteto Pablo Sanches, de São Paulo, fez questão de frisar: “A sensação é de que fazemos uma viagem dentro da viagem. Você caminha por São João e esbarra com o barroco. De repente encara uma construção neogótica. Isso é surpreendente”, ressaltou.

De fato, a Capela de Nossa Senhora das Dores é a única erguida nesse estilo no município histórico; e representa umas das últimas construções nessa vertente, que se espalhou mundialmente entre o final do século XII e o início do XX, ostentando intensa verticalidade na fachada.

Mas o espetáculo não se restringe ao lado de fora. Lá dentro, uma combinação inusitada também encanta, apresentando um paravento esculpido em madeira, ornado por vitral com cenas da Paixão de Cristo.

Não é o único. Repleta de vitrais, a Capela de Nossa Senhora das Dores é palco para um espetáculo natural de luzes: em dias claros, os raios solares que perpassam o vidro parecem dançar na nave do templo que se destaca, aliás, com altares em mármore e paredes claras.

Para quem quer ver tudo isso de perto, a Capela abre as portas todos os sábados, às 17h, para celebração de missas.